Arquivo da categoria: De Olho na Tela

50 Tons de Cinza

fiftyposter

O filme mais badalado do momento, que conta a história de Christian Grey (Jamie Dornan), um jovem super discreto, dono de uma fortuna invejável, e Anastasia Steele (Dakota Johnson), uma jovem e inocente estudante de literatura, traz à tona a relação do casal que é super intensa e mescla os sentimentos da jovem inexperiente Anastasia com os gostos e interesses peculiares pelo sadomasoquismo do poderoso e sedutor Sr. Grey.

A obra é dirigida por Sam Taylor-Johson,  e baseada no best-seller de EL James, que vendeu mais de 100 milhões de cópias em todo o mundo. Por conta do sucesso do livro, a produção passou a ser um dos mais esperados lançamentos do ano na telona. Mas o filme não é esse marketing todo que fizeram.

50 Tons de Cinza tem uma narrativa fraca e as vezes contraditória. A dupla protagonista não envolve o público e os diálogos também são pouco inteligentes e interessantes. Os 16 minutos de cenas de sexo do filme não são empolgantes quanto o marketing feito e não fizeram jus a expectativa do público. Resumindo, o filme da metade em diante se torna chato e cansativo.

Mesmo com tudo isso, o romance erótico já foi visto por mais de 7 milhões de brasileiros, já é o filme mais visto do ano no Brasil e tem bilheteria maior que a soma de 7 indicados ao Oscar 2015. Uma verdadeira mina de ouro para a distribuidora já tendo arrecadado mais de US$ 400 milhões mundialmente.

Pra quem é fã da série, estão previstas as sequências dos livros também nas telas do cinema. Pra quem tem preguiça de filme mais ou menos, melhor procurar títulos mais interessantes para ver.

Anúncios

Enquanto isso no mercado fonográfico…

Em uma conversa informal com amigos, falando sobre música, entrou em pauta o assunto do que a gente anda ouvindo por aí. Falamos de bandas novas, músicas novas, os músicos que tem aparecido no mercado e como o cenário musical anda se apresentando ultimamente.

Essa discussão foi muito proveitosa e interessante por estarmos todos com um mesmo pensamento e tiramos basicamente as mesmas conclusões sobre que o vemos e ouvimos nos dias de hoje: estamos com um déficit de boas músicas, bons compositores e novas bandas.

Existe hoje uma carência de criatividade em tudo que a gente ouve por aí. O ditado nunca se fez tão coerente, “Nada se cria, tudo se copia”. Uma prova disso é perceber que a maior parte da geração dos anos 80 e 90, estão ouvindo os mesmos artistas que foram consagrados nessas gerações.

Portanto, não é de se admirar que pela segunda semana consecutiva o álbum “Awesome Mix Vol. 1”, do filme “Guardiões da Galáxia”, no topo da lista da Billboard 200.

 “Awesome Mix Vol. 1” no topo da lista da Billboard 200
“Awesome Mix Vol. 1” no topo da lista da Billboard 200

O álbum traz uma coletânea de músicas que fizeram sucesso nos 70. Nele é possível ouvir David Bowie, Jackson 5, The Raspberries, Blue Swede, entre outros hits que marcaram gerações.

Seria esse um sinal para alertar o mercado de que tem algo errado? Só futuro poderá responder. Enquanto isso a gente espera essa mudança no cenário e curte o que há de qualidade por aí.

Luto

MichaelJacksonDancando1

Hoje perdemos o maior ícone pop dos últimos tempos…

Uma perda bastante sentida por legiões de fãs ao redor do mundo e também por mim que cresci ouvindo Michael Jackson.  Guardo como relíquia o disco de vinil “Bad” que ganhei quando criança.

Um mestre na arte de cantar e dançar que encantou muitas gerações com suas músicas e apresentações memoráveis. Além de tantos outros feitos…

O mundo da música ficará carente com a sua ausência, mas eternamente grato por tudo que você fez por ela.

Obrigada por tudo. Vá com Deus e descanse em paz!!!

Ah, então é carnaval…

foto_carnaval_sapucai

Nem mesmo as festas de fim de ano acabaram e já estamos na expectativa de mais um grande evento anual: o carnaval.

Segundo a Wikipédia, Carnaval é um período de festas regidas pelo ano lunar no Cristianismo da Idade Média. O período do Carnaval era marcado pelo “adeus à carne” ou “carne vale” dando origem ao termo “Carnaval”. Durante o período do Carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes. O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX.

E confesso que este formato moderno de fantasias , desfiles high-tech e etc… era o que me encantava. Sempre achei fabulosa a forma como os carnavalescos transformavam um tema em alegorias e carros alegóricos super criativos. Uma verdadeira viagem histórica através da música e brincadeira.

bola-preta
Cordão da Bola Preta

Hoje a minha percepção mudou. E me arrependo de ter passado tantos anos apreciando somente as belezas dos desfiles das escolas de samba. Como assim ser carioca e nunca ter curtido os blocos de carnaval da cidade maravilhosa?

E  foi com esse pensamento que há dois anos resolvi mudar o panorama. Deixei de viajar como sempre fazia e resolvi cair no samba. Ah, e como é bom cair no samba… Desde blocos mais tradicionais como o Cordão do Bola Preta, até os blocos menores (bairristas) que me remetem a infância de quando nossos pais fantasiavam a gente para curtir a festa na pracinha da cidade.

E apesar do carnaval hoje ser “praticamente” produzido para turista ver,  isso em nada tira os méritos dessa grande festa popular. Principalmente os tradicionais blocos de rua que sacodem a cidade.

Para melhorar, é um período que mexe com toda a economia do Rio de Janeiro. Desde o turismo, aos ambulantes que estão sempre prontos para agradar o consumidor. E agradam tanto que jamais vou esquecer o “Caipilé” da Taís no carnaval passado. Caipirinha em forma de sacolé vendidos a 1 real. Fantástico! Não entorna no meio do pula-pula e ainda mata a sede.

Não é exagero nenhum dizer que a maioria das pessoas que conheço está na expectativa desse período. E eu também estou.

Então que venha o carnaval!

Os 50 mais provocantes de Hollywood

A edição de dezembro da revista Entertainment Weekly traz uma seleção com os 50 filmes mais provocantes de Hollywood.

Para fazer a triagem, a galera da revista não considerou apenas as cenas eróticas dos filmes; na verdade, beijos, abraços, diálogos e até mesmo manifestações de carinho foram levados em conta. E acreditem, até 300 faz parte do ranking….

Segue abaixo a lista completa:

Brad Pitt e Angelina Jolie em Sr. e Sra. Smith. Tem casal mais provocante que esse?
Brad Pitt e Angelina Jolie em Sr. e Sra. Smith. Tem casal mais provocante que esse?

1. Irresistível Paixão
2. Jejum de Amor
3. Sr. e Sra. Smith
4. Corpos Ardentes
5. Sorte no Amor
6. Don’t Look Now
7. E Sua Mãe Também
8. O Último dos Moicanos
9. A Walk on the Moon
10. Antes do Pôr-do-Sol
11. Apenas uma Vez
12. Susie e os Baker Boys
13. Shakespeare Apaixonado
14. O Ano em que Vivemos em Perigo
15. Interlúdio
16. O Pecado Mora ao Lado
17. Cidade dos Sonhos
18. À Beira da Piscina
19. Diário de uma Paixão
20. Titanic
21. Instinto Selvagem
22. Mississippi Masala
23. A Época da Inocência
24. 9 Semanas e ½
25. o Destino Bate à Sua Porta
26. O Paciente Inglês
27. Infidelidade
28. Love & Basketball
29. Ligadas pelo Desejo
30. Maurice
31. Um Gigolô Americano
32. Segundas Intenções
33. She’s Gotta Have It
34. A Insustentável Leveza do Ser
35. Sexo, Mentiras e Videotape
36. Ghost
37. Amor à Flor da Pele
38. A Secretária
39. O Talentoso Mr. Ripley
40. O Poder da Sedução
41. O Guarda-Costas
42. Pecados Íntimos
43. Dirty Dancing
44. King Kong
45. As Pontes de Madison
46. Like Water for Chocolate
47. Beijando Jessica Stein
48. A Nova Paixão de Stella
49. Delicada Relação
50. 300

Na Mira do Chefe

Selecionado para o Sundance Film Festival e exibido na abertura oficial do evento, essa comédia de ação mostra dois assassinos de aluguel na cidade de Bruges, na Bélgica. Depois de mais um trabalho complicado, eles passam a discordar sobre a natureza do ofício que realizam, decidem relaxar e começam a se acostumar aos hábitos locais.

Colin Farrell
Colin Farrell

Gleeson é Ken, um experiente matador de aluguel de Londres, que é mandado para Bruges, na Bélgica, com o colega Ray (Colin Farrell, “O Sonho de Cassandra”). Um deles cometeu um erro trágico no último serviço, por isso, eles devem desaparecer de circulação, enquanto esperam as novas ordens do chefão Harry (Ralph Fiennes, de “O Jardineiro Fiel”).

Sem nada para fazer, a tensão vai crescendo entre o bonachão Ken e o impulsivo Ray, também por conta de suas diferentes personalidades. Devorando guias turísticos e manuais, Ken gosta de passear entre as belas relíquias medievais da cidade belga. Nada aborrece mais Ray do que estes programas culturais, já que é ligado em diversões como bares, bebida e jogo. Para ele, História é só “uma coisa que já aconteceu”, o tipo de comentário que deixa Ken furioso.

Há todo um humor politicamente incorreto nas aventuras de Ken e Ray pelas ruas de Bruges. A situação mais hilariante nesta linha envolve uma família de turistas americanos obesos, no momento em que estão prestes a escalar uma altíssima torre.

A ironia do filme é construída sobre este jogo de aparências que se desmonta o tempo todo, a partir da premissa inicial, que é ter dois matadores com sentimentos, ternura, lembranças e até complexo de culpa. Sem contar o dilema de lealdade criado para Ken quando recebe do chefe a ordem de liquidar Ray, responsável pelo erro trágico do último serviço.

Por mais que o diretor e roteirista McDonagh se esforce em embaralhar vários gêneros no filme, não faltará também a oportunidade de alguns tiroteios e perseguições em que os personagens apostam a própria vida. Estas são algumas das emoções aceleradas deste filme esperto e criativo, que revela um novo diretor.

O filme estréia nessa sexta 17/10/08 no Brasil.

*Fonte: Uol.com.br

REC

A princípio achava que era apenas um documentário como outro qualquer. Li a sinopse, me interessei e fui. Porém, pra grande surpresa, o filme, apesar de apresentar um formato meio “batido”, revela grandes tensões e agonias durante os seus 85 minutos de duração.

O filme é simples, uma repórter de TV local e seu câmera estão gravando um episódio de um programa jornalístico chamado “Enquanto você dorme”. Nesse programa Ângela (repórter) e Pablo (câmera) vão acompanhar a rotina do Corpo de Bombeiros de Barcelona em uma chamada de emergência noturna onde aparentemente uma senhora enlouqueceu e está gritando e atacando os vizinhos.

Daí em diante acontece uma série de fatos que não vou relatar para não estragar a curiosidade de quem quiser ver.

O filme de fato é fantástico, ganhou os prêmios de Melhor Diretor, Melhor Atriz, Menção Especial e Grande Prêmio do Público no Festival de Sitges 2007.

Algumas ressalvas para quem quiser assistir:

1° Tem que ter estômago forte. E tente assistir sem medo. (dica essa que eu mesmo não consegui… em muitos momentos tive vontade de sair do cinema, mas precisava saber o que aconteceria no fim. Mesmo que estivesse tremendamente agoniada).

2° Se não gosta de filmes estilo a “Bruxa de Blair”, “Jogos Mortais” e etc. Não assista.

3° Depois desse filme acho que meu filho vai se chamar Pablo de tanto que ouvi em um único filme… Rs.

4° A seqüência de Rec já foi anunciada na Espanha, porém sem data e informações sobre sua continuação.

[REC] ([Rec], Espanha, 2007). Duração: 85 minutos
Direção: Jaume Balagueró; Paco Plaza
Roteiro: Jaume Balagueró; Luis Berdejo; Paco Plaza
Produção: Julio Fernández
Produção Executiva: Julio Fernández; Carlos Fernández
Fotografia: Pablo Rosso
Maquiagem: David Ambit; Lucía Salanueva
Direção de Arte: Gemma Fauria
Efeitos Especiais: Enric Masip
Efeitos Visuais: Álex Villagrasa
Edição: David Gallart
Elenco: Manuela Velasco (Ángela Vidal); Javier Botet (Niña Medeiros); Manuel Bronchud (Abuelo); Martha Carbonell (Sra. Izquierdo); Claudia Font (Jennifer); Pablo Rosso (Marcos); Pep Sais (Pablo); Jorge Serrano (Sergio); Ferran Terraza (Manu); David Vert (Alex); Carlos Vicente (Guillem)

AXN Film Festival 2008

O AXN Film Festival é o único festival de curtas-metragens apoiado por um canal de TV por assinatura na América Latina. Desde 2006, o AXN apresenta à sua audiência de mais de 25 milhões de pessoas em toda a América Latina, o talento, a iniciativa e a visão original dos novos expoentes do cinema em nossa região.

A edição de 2008 já tem os 10 curtas metragens finalistas.

Filmes de pequeno formato de jovens diretores oriundos dos mais diversos lugares da América Latina entram no quadro de finalistas da edição 2008. Os trabalhos poderão ser vistos a partir do dia 4 de novembro, todas as terças a partir das 21 horas no AXN Brasil. Colômbia, 21h30min. Venezuela, 22 horas. México/Argentina: 23 horas. Chile.

O resultado final do festival sai em dezembro e os filmes serão julgados por uma banca composta de 12 membros: Carmen Maura, Billy Rovzar, Pedro Armendáriz, Miguel Bosé, Jonathan Jakubowicz, Solveig Hoogestein, Gustavo Santaolalla, César Charlone, Carlos Moreno, Luc Besson, Laís Bodansky e José Bonifacio de Oliveira.

O Brasil está bem contado no festival e tem a participação de 3 curtas finalistas nessa edição 2008. Bom sinal para o cinema nacional que vem crescendo com muita qualidade e criatividade.

Abaixo a lista com os 10 finalistas:

1. Rodrigo Oviedo, do México. Seu curta: Verano 79.

É a história de dois rapazes, Rogelio e Chepo, que durante um verão decidem apostar na amizade e iniciar um negócio falido. Anos depois eles tornam a se ver num emocionante encontro.

2. Fernando Sanches, do Brasil. Seu curta: Landau 66.

O quê o diabo faz quando está aborrecido? Dois jovens brasileiros descobriram, entre cervejas e outras distrações num automóvel clássico: um Landau 66.

3. Raúl López Echeverría, do México. Seu curta: Una larga sombra.

Dois homens, Aurelio e Miguel, caminham no meio de um deserto depois de terem sido abandonados na fronteira com os Estados Unidos. Miguel é um jovem que busca condições de vida melhores para sua família, mas Aurelio é um velho predador que descobrirá que se enganou de vítima.

4. Joaquín Peñagaricano, Pablo Abdalá e Pablo Aguirrezabal, do Uruguai. Seu curta: La velocidad de los Ceibos.

É um dia extraordinário numa localidade do interior do Uruguai. Todos os habitantes se preparam meticulosamente para um grande evento. O povoado pára ansioso para aguardar um acontecimento que acaba sendo, talvez, demasiado fugaz.

5. Pedro Aurgusto “Toto” Garcìa Cubillos, de Colômbia. Seu curta: Gasolina.

Três personagens estão perdidos numa estrada. Arnold sai em busca de combustível enquanto os outros ficam esperando no carro. Quando ele retorna ao ponto de partida, as coisas mudaram estranhamente para os três. Especialmente para ele.

6. Anwar Safa, do México. Seu curta: La Gordiranfla.

Depois de trabalhar a noite toda fazendo “gorditas” (espécie de panqueca de recheios variados), Socorro descobre que Francisco, seu marido, perdeu a “Gordiranfla”, uma caminhonete adaptada para vendê-las, numa aposta ilegal. Socorro deixa Franscisco e ele decide recuperá-la, trabalhando como caddy.

7. Alysson Silva Curitiba, de Brasil. Seu curta: Con las propias manos.

Uma mulher inflige as mais nefastas torturas a um homem com a finalidade de obter respostas sobre o seqüestro de seu filho. A verdade, contudo, pode ser mais dura que as dúvidas.

8. Catarina Accioly e Iberě Carvalho, do Brasil. Seu curta: Entre colores y navajas.

Anthony vai todos os dias de ônibus a seu salão de beleza. Um dia ele convida a motorista, Esperanza, para fazer uma mudança de look. Esse encontro culmina numa transformação na vida e na aparência de ambos. O casal experimentará as ilimitadas e transgressoras possibilidades do afeto.

9. Margarita Cobilich Rizo Patrón, do Perú. Seu curta: Todos y Nadie.

Dois amigos estão encalhados num povoado distante da cidade. Um homem está a ponto de perder seu trabalho. Suas vidas se cruzarão no meio do nada.

10. Gustavo Rondón Córdova, da Venezuela. Seu curta: Libre.

Dois réus deixam sua imaginação voar para sentirem-se livres, inspirados numa rachadura que aparece na parede e que se assemelha ao desenho de uma praia.

VMB 2008

No próximo dia 02 de outubro acontece a 14ª edição do VMB (Vídeo music Brasil) 2008. O VMB tem como objetivo premiar não apenas os videoclipes, mas também os artistas e músicas que se destacaram ao longo do ano.

O VMB 2008 terá nove categorias: Artista Do Ano, Melhor Artista Internacional, Banda/Artista Revelação, Aposta MTV, Hit Do Ano, Show Do Ano, Melhor Vídeoclipe, Webhit Do Ano E Vc Fez.

Antes de colocar os indicados nas categorias venho questionar uma coisa que sinceramente ficou “meio perdida” a meu ver. Onde estão categorias como Melhor cantor (a) de MPB, Melhor banda de Rock, Álbum do Ano, e tantas outras que poderiam fazer parte desta pequena lista e que de fato revelam os grandes artistas da música brasileira? Mesmo que não concordemos com os vencedores em alguns momentos. O objetivo do evento se perdeu. Como premiar bandas, artistas, músicas que se destacaram no ano dessa forma?

Sem entrar em méritos de gêneros musicais, até porque gosto é coisa que não se discute, fico indignada em ver “palhaçadas” como Webhit do Ano que tem como um dos indicados a tal famosa Dança do Quadrado.

Tive a coragem de entrar no site da MTV para votar nos indicados do VMB 2008 e confesso: simplesmente não tinha em quem votar. Salvo nas categorias Revelação, que tem a indicação da Roberta Sá, Melhor Artista Internacional, que tem grandes bandas e artistas que listarei adiante, e Hit do Ano, onde é incontestável o sucesso da parceria entre Vanessa da Mata com o Ben Harper com a música “Boa Sorte/Good Luck”.

Sei que muita gente vai discordar de tudo que falei, que as categorias e a premiação é de acordo com o público alvo da emissora e etc., mas diferentemente do que está acontecendo no Brasil, a MTV americana permanece com diversas categorias para os mais diferentes estilos. Mesmo que o Rap tenha “dominado” as paradas americanas.

Acho que o VMB perdeu a credibilidade. Definitivamente o Prêmio TIM de Música, hoje, tem um “peso” muito maior na carreira dos artistas.

Segue abaixo todos os indicados as categorias do VMB 2008:

Artista do ano

Cansei de Ser Sexy (Trama)
Bonde do Rolê (EMI)
Fresno (Arsenal/Universal)
NX Zero (Arsenal/Universal)
Pitty (Deckdisc)
Charlie Brown Jr. (EMI)
Cachorro Grande (Deckdisc)
Mallu Magalhães (Agência De Música)
Nando Reis (Universal)
Vanessa da Mata (SonyBMG)

Melhor artista internacional

Amy Winehouse (Universal)
Britney Spears (SonyBMG)
Coldplay (EMI)
Justice (Warner)
Madonna (Warner)
Paramore (Warner)
Radiohead (Flamil)
MGMT (SonyBMG)
Katy Perry (EMI)
Kanye West (Universal)

Banda/artista revelação

Mallu Magalhães (Agência De Música)
Strike (Deckdisc)
Vanguart (Independente)
Ponto de Eqüilíbrio (Warner)
Roberta Sá (Universal)

Aposta MTV

Turbo Trio (YB Music)
3 na Massa (Candeeiro/Instituto)
China (Candeeiro Records)
Garotas Suecas (Independente)
Rosana Bronk’s (Cosa Nostra)

Hit do ano

“Pela Última Vez ” – NX Zero (Arsenal/Universal)
“Paraíso Proibido” – Strike (Deckdisc)
“Uma Música” – Fresno (Arsenal/Universal)
“Boa Sorte/Good Luck” – Vanessa da Mata e Ben Harper (SonyBMG)
“Pontes Indestrutíveis” – Charlie Brown Jr. (EMI)

Show do ano

Cachorro Grande (Deckdisc)
Mallu Magalhães (Agência De Música)
Paralamas do Sucesso e Titãs (EMI)
Pitty (Deckdisc)
Zeca Pagodinho (Universal)

Melhor videoclipe

“Pela Última Vez ” – NX Zero (Diretores: Fabrizio Martinelli/Paulinho Caruso – Arsenal/Universal)
“Roda Gigante” – Cachorro Grande (Diretor: Ricardo Spencer – Deckdisc)
“Rat Is Dead” – Cansei de Ser Sexy (Diretor: Nima Nourizadeh – Trama)
“Pontes Indestrutíveis” – Charlie Brown Jr. (Diretores: Ludimilla Rossi/Matheus Ruas – EMI)
“Bossa Nostra” – Nação Zumbi (Diretor : Ricardo Carelli – Deckdisc)
“Desabafo” – Marcelo D2 (Diretor: Johnny Araújo – EMI)
“Monstro Invisível” – Rappa (Diretores: Luciana Bezerra/Gustavo Melo – Warner)
“Escolhas, Provas e Promessas” – CPM22 (Diretor: Rodrigo Lewkowicz – Arsenal/Universal)
“Solta O Frango” – Bonde do Rolê (Diretor: Barney Clay – EMI)
“De Você” – Pitty (Diretor : André Moraes – Deckdisc)

Webhit do ano

“As meninas de Inri Cristo”
“Dança do Quadrado”
“Mc Créu”
“A gaga de Ilhéus”
“A drag a gozar”

Vc Fez

Os clipes indicados nesta categoria serão escolhidos por especialistas da MTV Brasil e o vencedor será eleito pela audiência.

DVD de despedida do Los Hermanos eterniza bons momentos da banda

O terno e a gravata justificam o momento solene. Marcelo Camelo, ainda que um pouco desengonçado, entoa os primeiros versos de “Dois barcos”. “Aponta pra fé e rema”, diz a canção, escolhida para abrir o último show do Los Hermanos antes de uma pausa por período indeterminado. A apresentação, que lotou a Fundição Progresso, no Rio de Janeiro, no dia 9 de junho de 2007, deu origem a um registro ao vivo com 26 músicas – cinco canções gravadas na apresentação do dia anterior compõem os extras.

“Primeiro andar”, que vem na seqüência, descortina a contribuição de Rodrigo Amarante, que ao longo de uma década de carreira passou de guitarrista e backing vocal (quando não dava uma palhinha na flauta) a compositor de faixas essenciais na discografia da banda, como “O vento” e “Sentimental”, também incluídas no DVD. Estão lá, ainda, o tecladista Bruno Medina e o baterista Rodrigo Barba, peças fundamentais desse equilibrado quarteto.

Se Camelo encarna uma espécie de Ivan Lins roqueiro, Amarante quebra o protocolo com vocais bêbados e coreografia debochada. Quando se vê a banda no palco, fica difícil pensar em muitos outros grupos com o mesmo potencial de entrosamento e criatividade. Da radiofônica “Anna Júlia” à rara “Pierrot”, suas músicas pintam um panorama alegre do que um dia foi a música pop brasileira.

A aparente fragilidade cantada em letras como “O vencedor” encontra eco numa platéia invariavelmente descrita como fanática, que canta junto cada estrofe como se fosse a última – nesse caso, é.

“Los Hermanos na Fundição Progresso” – que também originou um álbum com o mesmo nome – é o registro de um momento raro. Não só mata as saudades dos fãs, um ano depois, como deixa escancarada a maturidade de quatro indivíduos que curtem o que fazem (ou curtiram) e não estão lá muito preocupados em simplesmente manter as aparências (e a conta bancária).

Pena que o material não transmita a contento a efervescência do público, que assim como a própria banda, fazia dos shows do Los Hermanos uma experiência sempre interessante.

*Fonte: G1, São Paulo